O carioca Felipe tomou pra si um desafio: como formar um cidadão de bem? Para ele, o valor dos alunos vai muito além da nota da prova.

Será que é possível trocar a velha sala de aula cheia de alunos quietinhos e o professor lá na frente falando, falando, falando…Por um lugar ao ar livre? Tem gente apostando que sim. E está dando certo.

Em uma escola pública do Rio de Janeiro, o professor Felipe ensina brincando. Ele é um mestre e representa todos aqueles professores inesquecíveis que fazem a diferença na vida da gente. Detalhe: ele ensina matemática.

Fora de sala ou dentro, ele dá total atenção aos alunos. Felipe já preparou vários alunos para as Olimpíadas. E o número de medalhas não para de aumentar!

O valor do bom aluno vai muito além da nota da prova. Marlon também foi aluno do professor Felipe e coleciona medalhas.
Marlon escolheu fazer matemática aplicada na Fundação Getúlio Vargas, também no Rio.

Prova de que o ensino público de qualidade é possível.

Globo Repórter: Aquela escola em particular foi boa pra você?

Marlon Benjamin: Ah, foi maravilhosa. Toda a direção e os professores se juntaram mesmo para fazer um trabalho diferente. Para fazer um trabalho sério, que realmente mudasse a realidade dos alunos que estudam naquela escola.

“Acho que o diálogo com essa garotada é o que é fundamental. Tem que construir um espaço coletivo. Junto. Escola, comunidade, aluno, família. Todos querendo o mesmo objetivo. Acho que isso evita escola toda destruída. Você evita conflitos e brigas, desrespeito, agressões. E a gente é referência pra garotada A gente tem que estar junto com eles pra construir um país onde a gente consiga viver melhor, mais feliz. Vale a pena mostrar que a educação pode transformar gente”, afirma o professor Felipe.

(Globo Repórter, 11/08/2017)