Professor de Artes dando também aula de Inglês, os de História ensinando Sociologia e os de Sociologia no lugar dos colegas de Filosofia. O acúmulo de disciplinas é rotina na rede pública estadual do Rio, relatam profissionais ouvidos pelo Estado, que se sentem sobrecarregados com o acréscimo de trabalho trazido pelas novas atribuições. Eles se ressentem também do encerramento de turmas no meio do ano, o que faz com que recebam classes novas de mais de 50 alunos.

Mestre em Infectologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a bióloga Anna Carla Guilherme, de 39 anos, fez concurso para ensinar apenas Biologia, mas foi transformada em professora de Química e Física. São 12 turmas para alunos do 1.º, do 2.º e do 3.º ano do ensino médio, o que demanda dedicação extra em casa para preparação das aulas.

“Já é o segundo ano assim. Tenho de estudar antes de dar aula de Física, fazer o meu dever de casa”, conta Anna Carla, que tem seis grupos com cerca de 30 alunos cada. “É muito injusto com o aluno, porque eu estou preparada para dar aula só de Biologia. Óbvio que se perde qualidade. Estão destruindo a educação do Estado. Não nos respeitam, é humilhante.”

Professores afirmam que o sistema vem funcionando assim: a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) analisa o histórico de disciplinas que o professor cursou na faculdade e o habilita a dar aulas de outras disciplinas que não são as suas de origem. Áreas consideradas afins, como a Sociologia e a Filosofia, e a Física e a Matemática, têm sido unidas preferencialmente. Mas também há casos inusitados, como professor de Educação Física ensinando Artes e de Artes dando aula de Inglês. Nesse caso específico, a profissional de Artes se recusou a dobrar a disciplina, e a situação foi revertida.

A Seeduc negou, porém, que haja acúmulo de funções pelos professores e informou que a prática tem previsão legal, é “rotineira”, utilizada “há muitos anos” e não resulta em mais horas de trabalho. “O professor habilitado em sua formação pode dar aula em diversas disciplinas, o que é uma prática em qualquer Estado e também em escolas privadas. É o próprio professor que pede enquadramento, demonstrando a sua habilitação.”

Segundo o Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação (Sepe) do Rio, cerca de cem das mais de mil escolas da rede já estão com esse remanejamento. O déficit da rede, que tem mais de 50 mil professores, chega a 10 mil, nas contas da entidade (a Seeduc não forneceu o dado oficial). De acordo com a Seeduc, “professores excedentes em determinadas unidades” estão sendo realocados “para suprir eventuais carências”.

Abandono. “O Estado decidiu fazer uma gambiarra e está inviabilizando o projeto pedagógico”, afirma a coordenadora-geral do Sepe, Marta Moraes. “Se toda hora muda o professor, a tendência, cada vez mais, é o aluno abandonar a escola.”

(O Estado de S. Paulo, 22/06/2017)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support