Caetano Veloso já versou e cantou: “Como é bom poder tocar um instrumento”. Os estudantes de escolas estaduais participantes dos cursos e oficinas ofertadas pelo Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC), do Colégio Central, em Salvador (BA), vão além: não só aprendem a tocar instrumentos, como a construí-los, a partir de materiais reutilizáveis ou recicláveis.O interessante é que ao fabricar os instrumentos, os alunos têm a oportunidade de associar conhecimentos musicais com o conteúdo da Física Acústica, aprendido nas aulas teóricas em suas unidades de ensino.

As atividades no CJCC integram as oficinas ‘Som na Caixa’ e ‘Musificando’, do CJCC, realizadas em parceria com estudantes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA)/ Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Na oficina, uma panela de alumínio e varetas de aço, por exemplo, são transformadas em um instrumento percussivo de sonoridade acústica.

Já um cano de PVC, acoplado à uma bexiga (bola de soprar) e à uma pequena mangueira para soprar o som, é batizado de Tubo Soprado. Esse instrumento de sopro, demonstra o professor de música Alexandre Rebouças, produz um som grave, devidamente calculado a partir dos conhecimentos de Física. Já um tubo de PVC fino pode ser transformado em uma flauta de som doce. “Os alunos das nossas oficinas são muito participativos, criativos, dedicados e interessados em inserir a música em suas vidas como um elemento essencial no seu desenvolvimento pedagógico-cultural”, ressalta o educador, revelando que às quintas são dedicadas à confecção dos instrumentos e às sextas, para tocá-los em aula coletiva.

O estudante do Colégio Estadual Mário Augusto Teixeira de Freitas, no bairro de Nazaré, em Salvador, Álvaro Roberto da Silva, 16, que já confeccionou uma flauta e um berimbau, conta que a experiência se torna ainda mais interessante com a aplicação dos conhecimentos da Física Acústica. “Testamos fazer a cabaça – que funciona como caixa de ressonância do berimbau – de papel, e descobrimos que o tipo do material não alterou o som. São experimentações diversas até chegarmos no instrumento que idealizamos. A oportunidade de obter conhecimento musical e aplicar os conteúdos teóricos da Física na prática é fascinante”, revela.

Na sala específica de fabricação dos instrumentos, o professor de Física e Robótica Elton Barreto ressalta que vivenciar a Física na prática é para que os alunos das oficinas do CJCC tenham uma motivação a mais: a música. “Sair da teoria e experimentar a Física na confecção dos instrumentos, a partir de materiais encontrados na natureza, é uma forma de tornar o processo de ensino e aprendizagem mais lúdico e, consequentemente, mais atrativo”, avalia.

Vitória Mendes, 15, estudante do Colégio Estadual Manoel Novaes, no bairro do Canela, assegura que a combinação da música com a Física é uma atividade bem-sucedida mesmo para quem não tem na disciplina uma das suas preferidas. “As oficinas Som na Caixa e Musificando despertaram em mim o gosto por tocar instrumentos musicais, bem como a compreender a Física de uma forma mais lúdica e menos complicada. Já construí Cajon, berimbau, pau de chuva, viola de lata e flauta. Construo e toco e, além disso, aprendo o conteúdo da Física”, conta, orgulhosa.

Como a maioria dos alunos, Ariel Amorim, 16, também do Colégio Estadual Mário Augusto Teixeira de Freitas, não tinha qualquer conhecimento musical até entrar para as duas oficinas. “Meu pai é violonista e sempre tive vontade de aprender a tocar instrumentos. Aqui a gente passa a ter uma outra visão sobre a importância que a música exerce na vida das pessoas”, ressalta.

(SEDUC-BA, 07/11/2016)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support