Trinta e seis alunos da Escola Básica Municipal Luiz Cândido da Luz, bairro Vargem do Bom Jesus, Norte da Ilha, estão aprendendo uma nova linguagem. Desde a metade de outubro, os estudantes do 7º ano têm aulas de programação de computadores no contraturno escolar. O projeto é uma parceria entre prefeitura, Acate (Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia) e a empresa I Do Code. O programa piloto segue até dezembro e pode ser ampliado no próximo ano letivo.

Para conhecerem o idioma do futuro, os jovens utilizam a sala de informática da escola. “A alfabetização digital traz vários benefícios, como o aprimoramento das habilidades cognitivas, raciocínio lógico, criatividade, concentração e solução de problemas. O objetivo é formar mais pessoas que entendam de tecnologia e que possam cursar universidades nesta área”, diz o sócio-diretor da I Do Code, Leonardo Flores Zambaldi.

Florianópolis é um dos maiores polos tecnológicos do país e fomenta muitos projetos de inovação. O problema é que as empresas não têm mão de obra qualificada e precisam importar profissionais de outros Estados. De acordo com a assessora pedagógica do departamento de tecnologia da Secretaria Municipal de Educação, Elika da Silva, as aulas de programação despertaram o interesse dos alunos.

As aulas acontecem uma vez na semana e com uma hora de duração. “A programação é uma nova forma de escrita e oferecemos elementos para que os jovens aproveitem essa experiência na plenitude. A intenção é conciliar os conteúdos escolares com as atividades de programação, tornando a aula mais atrativa aos estudantes”, explicou Elika. As atividades contribuem especialmente para o aprendizado de matemática, física e ciências.

Jovens se destacam na produção de animações e quiz

Apaixonado por jogos eletrônicos, Bruno Souza Purper, 12 anos, é um dos destaques da aula de programação na EBM Luiz Cândido da Luz. O aluno do 7º ano conta que já sonhava em trabalhar na área da computação. “Fiz um quiz [jogo de perguntas e respostas] sobre a mitologia grega em um trabalho com os professores de história, português e artes. Mas o meu sonho é criar o meu próprio jogo e, por isso, pretendo trabalhar com programação”, disse.

Já Isabella Vitória Oliveira, 12, também não perde a aula de programação. A aluna do 7º ano investe o seu tempo em busca de mais conhecimento. “Gosto mesmo é de fazer animações”, contou.

O diretor da escola, Carlos Francisco Chaves, explicou o porquê da escolha dos alunos do 7º ano. “Assim poderemos avaliar o aprendizado até o 9º ano, porque hoje temos mais interessados do que vagas”, afirmou. A prefeitura tem 27 salas de informática nas escolas de educação básica.

(Portal Notícias do Dia, 26/11/2017)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support